Orquídea Catasetum - cultivo e características fascinantes do gênero.

Este é um grupo de orquídeas com características bem fascinantes, com flores que parecem de cera e formas exóticas além de uma peculiaridade da planta em que dispara as políneas (massa cerosa constituída por grãos de pólen) sobre seus agentes polinizadores com uma substância pegajosa que fixa sobre os agentes polinizadores. Esta é uma forma muito curiosa que a planta lança mão para obter seu objetivo que é a perpetuação da espécie. Como essa espécie se desenvolveu a ponto de elaborar algo tão extraordinário, uma arma de precisão que não falha e sempre atinge o seu alvo, e quando o alvo é atingido pelo disparo das políneas devido à velocidade e força empregado pelo disparo provocando no agente polinizador um susto que faz com que voe para uma nova flor, desta forma faz com que a mesma flor não seja polinizada e sim outra para que aja troca de material genético e assim a planta possa desenvolver novas plantas mais evoluídas. Esses disparos podem atingir uma distância de seis polegadas. 


Há outro fato curioso é que este gênero de orquídea atrai uma abelha (pertencente à tribo Euglossini) de coloração que vai de uma cor metálica desde o verde, azul metálico, roxo, vermelho e até o tradicional preto com amarelo. E os machos são coletores de substâncias aromáticas em fontes florais e não florais. O motivo desse comportamento ainda é desconhecido pelos pesquisadores. A explicação mais aplausível é de que as fragrâncias provavelmente sirvam como indicador da qualidade genotípica e fenotípica dos machos para as fêmeas.
Catasetum globiflorum

O gênero Catasetum, apresenta espécies epífitas, rupícolas e terrestres. São encontradas desde o México ao sul do Brasil, com muitas espécies encontradas na Amazônia. No Brasil se encontra a maioria das espécies.  A planta caduca as folhas e entra em um período de dormência. É uma planta de fácil cultivo.
Flor de catasetum globiflorum aberta artificialmente para mostra a anatomia da flor

Água:

É um fator crítico para a produção de grandes pseudobulbos que resultam em melhor floração.
Deve ser administradas regas mais intensa no período de crescimento e diminuindo a medida que o crescimento começa a parar.
  • Regar três vezes por semana na fase de crescimento da planta.
  • Regar duas vezes por semana após o término do crescimento da planta.

Luminosidade:

É uma orquídea que necessita de muito mais luminosidades do que a dos outros gêneros, necessitando de 70% de luminosidade.
A luminosidade exerce grande influência em algumas variedades, pois ela determinará o gênero da flor.

Temperatura:

Desenvolve-se bem em temperaturas que vão de 26 graus Celsius a 37 graus Celsius e suportando até 13 graus Celsius. É uma planta bem adaptada ao clima tropical.

Umidade:

A umidade gira entorno de 40 a 60 por cento com bom arejamento para evitar doenças fúngicas ou bacterianas.

Adubação:

Para um bom desenvolvimento de seus pseudobulbos a planta necessita de uma boa adubação nitrogenada com uma formulação 20-10-10, quando começa a surgir novos brotos e na medida em que vão amadurecendo uma adubação mais rica em fósforo (10-20-10) se faz necessária. 

Substratos:

A planta é mais exigente em substratos mais ricos em substâncias nutritivas que possa disponibiliza nutrientes para a planta. Substratos como fibra de coco são ótimos para o cultivo. Mas substratos como casca de pinus também são bons, porém substratos que levam apenas carvão ou outro que sejam inertes vão depender de uma boa adubação, principalmente líquida para seu bom desenvolvimento.

Envasamento:

Deve ser programada para coincidir com o início de um novo crescimento.
São fáceis de serem reenvasadas, não sofrendo muito com estresse na troca de vasos e substratos, se desenvolvendo de forma satisfatória, vindo logo depois como resultado uma boa floração.