Orquídea Ophrys Apifera - Inseto ou Planta - Cultivo e Dicas.


A orquídea Ophrys apifera é por excelência uma planta que imita com perfeição uma abelha atraindo machos solitários para se acasalarem que ao se depararem com o engodo acabam por polinizar a flor desta magnífica planta que ao longo de sua evolução desenvolveu este sofisticado sistema de fetiche. Esta fantástica orquídea abelha só floresce uma única vez em sua vida útil. Crescendo em grandes números por alguns anos e vindo a desaparecer por um período, reaparecendo por um capricho da natureza. Sendo vista ao longo das regiões costeiras do País de Gales, em montões de solo calcário ou em terrenos baldios de Portugal. Portanto o seu habitats são: pastagens, argilas ricas em base, dunas calcárias, bancos e bosques de giz ou calcário, sendo uma planta que se desenvolve bem em solo alcalinos. Desenvolve-se desde a Europa Central e Austral, incluindo Grã-Bretanha, Portugal até o Norte da África.

Esta planta durante o outono ou inverno aparece à formação de uma roseta de baixo das folhas surgindo a flor a uns 5 ou 80 centímetros de altura do solo e que medem de 0,5 a 4 cm, com cor que vai do branco, roxo, verde, amarelo ou rosa; a cor dos lábios pode ser preto, roxo, vermelho, azul, rosa, laranja, branco, amarelo, marrom ou verde, a flor pode ter mais de uma cor sendo listrada, pontos ou disforme. O crescimento da parte aérea da planta morre com a chegada do verão deixando dois tubérculos dormente um prominente e outro menor com aproximadamente de 1 a 3 cm de diâmetro. 

A principal praga que costuma atacar esta espécie é o afídio ou pulgões, insetos sugadores de seiva que debilitam a planta.

Os tubérculos da Orquídea abelha precisam ser mantidos por um período seco, mas no verão necessitam de um pouco de umidade para manter-se vivo.
Há planta é considerada comestível é de seus tubérculos que se extrai um pó branco fino e amarelado que é uma fonte de salepo, que é dito ser muito nutritivo e de onde se prepara uma bebida ou ainda no preparo de pães.

Cultivo:

É uma orquídea fácil de ser cultivada observando que a planta durante o verão morre deixando dois tubérculos que ficam dormentes neste período e emergem no final do verão ou no outono com o surgimento das flores no inverno, primavera e início do verão.

Alguma espécie de orquídea Ophrys resiste até -18 ºC de temperatura, mas outras não resistem a -4ºC. Plantas cultivada externamente como em jardins merecem uma proteção para evitar fortes geadas durante os meses frios.

Molhar a planta regularmente durante o período de crescimento é essencial para seu bom desenvolvimento, reduzindo a rega com o aparecimento de flores e para a rega quando as folhas morrerem completamente, pois é o período de repouso da planta e necessita ficar seca completamente. As chuvas do final do verão irão estimular os tubérculos com a quebra da dormência levando ao surgimento da brotação.

Substrato:


80% de perlita média ou pedra pomes ou argila expandida pequena com 20% de matéria orgânica como aparas de madeira ou pó de serra é o ideal para o cultivo.

O Que é Melhor Prevenir ou Remediar Quando se Trata de Orquídeas?

Sem dúvida que prevenir é a melhor forma de manter as orquídeas longe de pragas e agentes patógenos. Para tanto, é necessário tomar medidas cautelares, tais que a planta esteja protegida do ataque de pragas e doença, mantendo o controle fitossanidade da mesma.

A prevenção é a melhor forma a ser aplicada no cultivo de orquídeas, pois como diz um ditado popular: “É melhor prevenir do que remediar”. O que quer dizer: É melhor prevenir a planta antes o ataque de pragas e doenças do que ter que tratá-la na tentativa de salvá-la e resgatar o seu vigor. É um fato habitual do cultivador não tomar nenhum cuidado no manuseio de ferramentas e manejo das orquídeas, usando de práticas rústicas e empíricas sem qualquer técnica fitossanitária que previna que as plantas sejam atacadas por pragas e doenças, ocasionando a contaminação de plantas saudáveis. Isto se dá porque o cultivador é o maior responsável pela transmissão de pragas e doenças nas plantas. A mão do cultivador é um veículo para disseminação de fungos e bactérias em plantas saudáveis, assim como ferramentas sem serem esterilizadas, além de outros...

Desse modo, uma prática que deve ser aplicada é o cultivo preventivo. Para tal o cultivador dever ter conhecimento de como pragas e doenças se estalam nas orquídeas e quais os vetores que causam contaminação. Isto é, quais os meios em que fungos, vírus e bactérias são transportados de uma planta infectada para uma sadia.

O uso de luvas de látex ou a desinfecção das mãos com soluções a base de hipoclorito de sódio e álcool 70%, evita que durante o manuseio de plantas, plantas sadias sejam contaminadas.
As ferramentas utilizadas no cultivo merecem sua devida atenção. Elas podem transmitir inclusive vírus que não possuem cura ou tratamento. Dessa maneira, é melhor limpar cuidadosamente com solução desinfetante ou álcool 70% e, em seguida, esterilizar a ferramenta passando-a no fogo.

Orquidários amadores muitas vezes são feitos de madeira e deve ter total atenção nossa, pois tais estruturas podem se tornar focos de pragas e doenças por oferecerem refugio ou condições para desenvolvimento de doenças devido à madeira entrar em decomposição pela ação da alta umidade do ambiente. Manter a estrutura do orquidário sempre limpa e sem acúmulo de materiais, tais como: vasos usados, substratos velhos, plantas invasoras, entre outros. Além de trocar bancadas ou estantes deterioradas, que podem ser possíveis esconderijos de insetos e pragas e foco de doenças. Desta forma estará promovendo a prevenção de pragada e doenças no orquidário.

Todas as vezes que for cortar folhas, rizomas, haste floral, raízes devem ser feitos com instrumentos limpos e esterilizados. Também a aplicação nos cortes que deixam cicatrizes expostas é recomendado o uso de pasta selante, pois incisões em qualquer parte da planta deixa uma porta de entrada para doenças.

Existem maneiras simples e ecológica de se evitar a entrada de insetos no orquidário, com o uso de plantas que repelem insetos entre as orquídeas, como a citronela e o cravo de defunto.

O uso de armadilhas que usam a cor azul ou amarela atraem determinados insetos devido às ondas eletromagnéticas emanadas por elas. Também é uma boa forma de controle de determinadas pragas como: tripes que são atraídos pela cor azul, já os pulgões são atraídos pela cor amarela. Estas armadilhas são feitas com garrafas Pet pintadas com essas cores e untadas com graxa.

A irrigação das orquídeas tem a capacidade de ser um transmissor se for empregada de forma inadequada. Como fungos e bactérias podem ser transmitidos pelo respingo de água de um vaso para o outro. Essa situação se agrava quando há vasos um sobre o outro em que a água do vaso de cima cai no debaixo.

Bancadas baixas ou rentes ao solo quando são direcionados jatos d’água, esses por sua vez, batem no solo e caem no vaso contaminado as plantas com fungos e bactérias.
Enfim existem várias maneiras de se evitar contágios das orquídeas por pragas e doenças. É claro que quanto maior o número de vasos de orquídeas maior serão os cuidados com o orquidário. Apena aqui foi tratado de algumas dicas ou técnica básica para se evitar que se tomem medidas rigorosas no combate de pragas e doenças.

Encontramos diversos tipos de orquidários em que as plantas estão dispostas de várias formas e vão muito bem. Não quero aqui ditar normas ou procedimentos, porém vai depender da forma como cada um maneja bem o seu orquidário, pois nem um orquidófilo vai querer ver suas plantas doentes, mas sim para fins de esclarecimentos.   

Veja algumas medidas que podem ser adotadas no dia a dia, que evitam que suas orquídeas sejam atacadas por pragas e enfermidades no orquidário:

  • O uso de adubos orgânicos ou químicos de forma correta e regular fortalece a planta contra ataques de pragas e doença;
  • Prefira sempre usar produtos naturais para o controle e tratamento das plantas, tais como: caldas inseticidas, fungicidas e bactericidas feitas com plantas;
  • Identifique a praga ou doença que ataca sua orquídea;
  • Evite palpites de leigos quando for aplicar inseticidas, pois alguns inseticidas além de fazer mal a saúde podem matar a planta.
Você poderá querer ler:

Como Combater o Tripes e Quais Cuidados Devo Tomar na Minha Estufa de Orquídeas.

Respondendo a uma pergunta de um leito do blog que quer saber como combater o “Tripes”, uma praga que esta atacando suas orquídeas, principalmente as flores. Descrevo abaixo o controle e cuidados.

Os tripes são insetos que pertence á ordem Thysanoptera e são muito pequenos com corpo estreito e alongado, possuem aparelho sugador formado por uma única mandíbula. São alados com dois pares de asas franjadas. Sendo a maioria das espécies de tripes fitófagos, ou seja, se alimentam de plantas. Contudo há espécies predadoras e outras que comem fungos. Estes insetos variam bastante de cor, onde encontramos espécies de cor marrom, preta, branca, laranja, etc.

Os tripes se dividem em duas subordens, a Terebrantia que tem um ovipositor em forma de serra para colocar os ovos dentro das folhas das plantas, e a Tubulifera, que possui um seguimento abdominal em forma de tubo e deposita seus ovos em grupos sobre as folhas, sendo esta a que mais ataca as orquídeas. 
A reprodução do tripes se dá de forma sexuada ou por partenogênese, ou seja, não depende de outro indivíduo para se reproduzir. Os ovos podem levar de um dia a algumas semanas para eclodirem. Ninfas é a fase jovem do inseto que costuma ter cor mais clara, não possuem asas e se alimentam da seiva das plantas e quando estão para passarem a fase de pupa caem no solo e logo depois entram na fase adulta que alada.

Os tripes são facilmente encontrados em amendoeiras plantadas em calçadas nas ruas em áreas urbanas. Por assim ser, é muito fácil um jardim ou estufa ser atacada por esta praga. Elas provocam danos às plantas ao sugar sua seiva e raspar seus tecidos. Deixando as folhas das plantas com tonalidade pálidas, manchadas, cor bronzeada ou prateada em seguida levando a queda precoce das folhas. As flores ficam com cicatrizes tirando a sua beleza. Já os brotos ficam retorcidos com o ataque da praga. Os ferimentos causados pelos tripes abrem portas para entrada de vírus e outros patógenos que atacam as orquídeas.

Prevenção e controle.

A infestação de tripes costuma se dá em épocas secas e quentes. Migrando de terrenos baldios ou árvores infestadas como amendoeiras. Mantenha seu orquidário ou estufa limpo e sem a presença de ervas daninhas. Devendo fazer uma manutenção periódica nas orquídeas, verificando a presença de insetos indesejados, e eliminá-lo de forma mais rápida possível, evitando assim, que se alastre para as demais plantas e o controle da praga se torne difícil. Procure o inseto na planta com uma lupa (o que facilitara a visualização), próximo às bainhas foliares, nos brotos, nas hastes florais, nos botões a presença do inseto e o elimine.

Mantenha as orquídeas saudáveis como uma adubação regular e boa luminosidade, o que torna a planta resistente ao ataca de insetos, pois plantas fracas são susceptíveis ao ataque de insetos.

Uma boa alternativa para auxiliar o monitoramento da presença do isento pode se dar pelo uso de armadilhas que são feitas com garrafa pet pintadas de azul escuro e untadas com graxa, pois o inseto é atraído pela cor azul e ao posar fica preso na graxa.

Colocar vasos com citronela no meio das orquídeas afasta a presença do tripes e de outros insetos.

O controle natural se dá por meio de larvas de dípteros da família Syrphidae, por larvas de crisopídeos (bixo-lixeiro) e por joaninhas. 

Vai aqui uma receita de um inseticida caseiro para o combate ao tripes.

Calda de primavera ou boganville.
10g de folhas para um litro de água.
Lavá-las com sabão neutro depois bater no liquidificador com um pouco d'água e coe.
5g de sabão neutro derretido em um pouco d'água quente.
Agora misture os ingredienes.
A mistura deve ser usada no mesmo dia.
A aplicação dever ser feita três vezes por semana durante três semanas nos horário frios do dia.


O uso de inseticidas químicos não é recomendado, pois a infestação de tripes se dá pelo desequilíbrio ambiental, pela ausência de predadores naturais, uma vez que, os inseticidas químicos matarem o tripes, matam também seus predadores naturais. 

Como escolher um vaso de orquídea que proporcione uma floração exuberante e duradora?

Uma das razões mais comuns para que uma orquídea recém-comprada venha a perder logo suas flores é porque a planta passa por um choque térmico, quando inserida em um novo ambiente, ou seja, sua casa.

As orquídeas são muito sensíveis a quaisquer mudanças repentinas de ambiente, sendo a umidade e temperatura os fatores principais que causam estresse na planta, o que ocasiona a paralisação de funções importantes para a manutenção do vigor da planta, que refrete quase de imediato nas folhas e flores da orquídea.

Mudança bruscas de temperatura pode ser a causa de alguns problemas típicos que ocorrem com as flores, tais como:

  • A haste floral definha e cai antes mesmo que os botões venham a surgir ou os botões começam a murchar na haste floral. Causada por mudanças repentinas de temperatura.

  • As flores começam a ficarem enrugadas e a murchar e cair antes do tempo, pois quando a planta, por exemplo, vem de um local de montanha onde o clima é ameno para um local onde a temperatura sobe agressivamente, próximo ao nível do mar. Existe portanto uma grande diferenciação de temperatura levando a uma queda prematura das flores.

  • É normal para as orquídeas quando sua florada se dá em épocas em que a temperatura ambiente é alta por motivos climáticos e as temperaturas estejam acima da média para a época, as flores ter uma vida útil menor durante esse período devido ao acelerado metabolismo da planta. 


Outro motivo pode está relacionado ao período do tempo em que você comprou a planta. Por exemplo, você acabou de comprar um vaso de orquídea em que o ciclo de exuberância da floração já estava chegando ao fim e por consequência as flores começam a cair. Nisto não há nada de errado que possa está ocorrendo com a planta e sim que a floração chegou ao fim de sua vida.

Ter ideia de quanto tempo à planta está florida é fundamental no momento da compra, porém trazer uma planta para casa que possa ter uma floração por mais tempo vai lhe proporcionar mais satisfação.
Você não tem ideia de quanto tempo aquela orquídea está florida na banca de venda, portanto, em outras palavras, se a variedade que você acabou de comprar tem uma floração que dura 30 dias, você não tem ideia de quanto tempo a planta estava ali florida, portanto você pode muito bem está adquirindo uma planta que está no final de sua floração. E é claro que lojas de flores vão querer empurrar para você uma planta que está no final da floração, isto é óbvio.

Então, como evitar estes problemas?

Em vez de comprar uma orquídea que está em plena floração, comprar uma planta que está com alguns botões fechados. Desta forma você terá certeza de que o período de floração da sua orquídea está no início, portanto você poderá desfrutar e apreciar as belas flores da sua orquídea por mais tempo.

É importante comprar plantas de viveiros especializados em cultivo de orquídeas, pois vai lhe oferecer informações importantes a respeito da planta que você está comprando, tais como: duração da floração, temperatura ideal, local ideal entre outros.

Orquídeas vendidas em supermercados não recebem os mesmo cuidados do que em viveiros especializados, o fato é que se você observar uma planta que está por algum tempo na prateleira, percebera que a planta vai perdendo o seu vigor rapidamente o que não ocorre em viveiros especializados. Isto não significa que você não deva comprar uma orquídea vendida em supermercados, mas procure neste caso comprar a mais vigorosa possível e que tenha chegado recentemente às prateleiras do supermercado.


Você agora provavelmente obteve conhecimento de cuidados específicos que vão lhe ajudar e muito, pois estes cuidados vão lhe proporcionar mais satisfação na aquisição de uma orquídea.

Você poderá gostar de ler:

Os primeiros cuidados com minha orquídea.

Os Primeiros Cuidados Com Minha Orquídea.

Orquídea Denphal
Passamos por muitas datas comemorativas ou ocasiões especiais, como dias das mães ou namorados ou momentos especiais em que você que agradar alguém que você gosta. Tais datas ou momentos são comercializadas flores tão especiais e em grande número, entre as mais vendidas pelos floricultores estão as orquídeas.

E quem não se sente elogiado quando presenteado com uma belíssima orquídea, que derrete qualquer coração de mãe ou aumenta os batimentos do coração da pessoa amada ou ainda demostra profundo apreço pela pessoa em questão.

E agora o que fazer com a bela orquídea que você ganhou?

Vou descrever aqui algumas dicas essências que vão ser de grande ajuda, para que não venha a se frustrar em não saber como proceder com aquela bela planta que com muito amor e apreço você ganhou.

Quando acabar de adquirir uma orquídea siga alguns passos como descreveremos abaixo.
Sempre que ganhar uma orquídea nova você deve colocá-la em quarentena por pelos menos 3 semanas, para evitar uma possível infestação de pragas. Deixando-a longe de sua coleção se assim você dispor e para melhor inspecioná-la durante este período de tempo.

Inspecione sua planta de perto regularmente verificando sinais de pragas e doenças como insetos ou manchas entre as folhas, flores, pseudobulbo, raízes e substrato.

Após este período de 3 semanas, se todos os sinais sugerem que a planta está saudável e livre de pragas e doenças, então poderá colocá-la com as outras da coleção.

Se você contatou algum sinal de praga e doença, deixe-a isolada das demais, até que a planta fique livre de tais... Deixando-a agora por um período mais longo de tempo que podendo ser de até três meses, dependendo do tipo de praga e doença e sua infestação. Porém há casos como certos vírus o qual não há cura em que a planta não poderá se juntar com as demais de sua coleção.

Faça o que quiser, mas não mova sua orquídea.

Depois que você encontrou o local ideal para colocar sua orquídea em casa, procurando sempre posicionar os botões florais em direção de onde vem a maior incidência de luz e depois a deixando lá. Evite todas as formas de reposicioná-la.

O porquê disso:

É extremamente importante não mover a orquídea uma vez que o vaso de orquídea que você ganhou têm botões que estão desabrochando orientados pelo eixo de desenvolvimento em direção da luz. Se o fizer, os botões florais vão tentar reorientar-se procurando a direção da luz, isso vai resultar em um aumento da torcida distorcendo o eixo de desenvolvimento dos botões florais o que acarretara em má formação da flor e o aborto de alguns botões como ilustra a foto, onde fiz uma experiência com uma orquídea Denphal movendo-a de lugar, para demostrar aos queridos leitores deste blog o que acontece com os botões florais, aonde pode se observar perfeitamente as flores com má formação e botões que abortarão.

Se você quiser mover sua planta de lugar, espere até que todas as flores estejam abertas, assim quando terminar o pico de abertura dos botões florais é o momento seguro para mover ou reorientar a sua planta como você gostaria.

Durante o período de floração a orquídea não necessita de adubação, até o momento em que novamente começar o desenvolvimento de novos brotos.


Quando levamos um vaso de orquídea para casa sempre procuramos um lugar que se encaixe com o ambiente e que fique em destaque para que olhos curiosos a veja, porém esse lugar em sua maioria não é local aonde a planta após a queda das flores irá novamente se desenvolver de forma satisfatória, para que novamente venha a produzir belas flores. Nesse caso o primeiro passo é saber de que espécie de orquídea se trata, para que assim proceda com os cuidados ideais. Então ao adquirir sua orquídea guarde o seu nome e pesquise aqui mesmo neste blog, pois há muitas dicas do cultivo de várias espécies.



Popular Posts