Como Fazer Substrato para Orquídeas - Conhecer as Característica de Cada Substrato.

Brita, carvão, casca de pinus e fibra de coco

No cultivo de orquídea é muito importante entender as características físicas e químicas dos substratos, uma vez que, cada formulação de um substrato específico em sua composição oferece determinada condição para o desenvolvimento de uma determinada espécie de orquídea. Então como encontrar o substrato que melhor se adequar para o cultivo de determinada espécie?

Para obter sucesso no cultivo de orquídeas é importante investir na qualidade do substrato a ser empregado.

Antigamente era empregado grandemente o uso do xaxim, pois era considerado um substrato perfeito para o cultivo de praticamente quase todas as espécies de orquídeas, pela facilidade de manuseio de sua estrutura que permitia placas verticais, desfibrado e pó, onde cada uma dessas condições estrutural se adequava a exigência de determinadas espécies. Além de ser um material onde oferecia à planta condições nutricional, aeração e umidade de forma adequada necessitando de pequenas correções nutricionais conforme exigências da planta. Porém o corte indiscriminado levou o governo a proibir a comercialização do xaxim forçando os orquidófilos a procurarem alternativas ao cultivo das orquídeas. Surgiram então alguns novos substratos que alcançaram bons resultado no cultivo de orquídeas.

Os substratos pré-formulados (misturas encontradas em supermercados, Garden Center e orquidários). Hoje podemos selecionar essas pré-fórmulas de compostos que levam em sua composição: Musgos, fibra de coco, casca de árvores, carvão e outros agregados que melhor se adequam às necessidades das orquídeas. Ou podemos formular nosso próprio substrato ou ainda formado com um único composto.

É vital compreender a importância das propriedades dos compostos do substrato. Sabendo que essas propriedades irão ajuda-lo na produção de um substrato consistente, de boa qualidade e que combine com suas práticas de cultivo.

A maioria dos substratos tem um tempo de vida útil médio de dois anos, podendo ser para mais ou menos dependendo das características de cada substrato. O que acarreta a troca do substrato, não sendo esse o único fator. Seja pela necessidade de espaço para crescimento da planta ou formação de novas mudas.

O substrato ideal deve ter uma estrutura consistente e boa estabilidade com decomposição mínima dos constituintes orgânicos.

O tamanho das partículas influencia diretamente na aeração e na retenção de água, devendo ser observado esse fator conforme a necessidade de satisfazer a planta em suas exigências.

Os tipos de vasos empregados influenciam diretamente na retenção de água pelo substrato, pois vasos de plástico retém a água por mais tempo no substrato diminuindo a evaporação da água, enquanto vasos de barro facilitam uma maior evaporação da água no substrato.

O adensamento do substrato no vaso diminui a aeração e aumenta a retenção de água. O que devemos evitar quando estamos envasando uma orquídea.

Alguns substratos têm a capacidade de manter os nutrientes e evitar a lixiviação (extração ou solubilização dos nutrientes pela água) dos mesmos e disponibilizá-los para as plantas, esses tais são: argila, fibra de coco, xaxim, musgos, vermiculita e a maioria dos materiais orgânicos. Já os compostos com baixa capacidade de absorver e manter os nutrientes são: areia, pedriscos, isopor, poliéster.

A maioria das orquídeas crescem melhor em substratos com uma faixa de pH entre 5,4 e 6,6, isto é ligeiramente ácido, visto que o pH 7 é considerado neutro e acima desse valor é considerado alcalino. Substratos de origem orgânica têm o seu pH diminuído se acidificando a medida em que envelhece.

A casca de árvores e fibra de coco possuem alto teor de tanino e sais que devem ser diminuído com certas técnicas como deixar a casca de árvore ou fibra de coco mergulhada na água por alguns dias trocando a água para que saia o excesso de tais substâncias e fique apropriado para uso como substrato.

Um bom substrato deve proporcionar uma boa drenagem, circulação do ar e entre as considerações acima citadas, além de estar livre de vírus, fungos e bactérias. Uma mistura em determinadas proporções de variedades de materiais vai proporcionar um substrato que oferece condições ideais para o bom desenvolvimento das plantas.

As Cattleyas exigem um substrato composto com 50% de casca de pinus, 30% de fibra de coco e 20% de carvão vegetal. A fibra de coco pode ser substituída por esfagnum (musgo).

As Phalaenopsis necessitam de um substrato poroso que ofereça boa drenagem como o substrato utilizado para Cattleyas onde o carvão vegetal pode ser substituído na mesma proporção por pedrisco, brita e isopor.

O gênero Dendrobium ou orquídea Olho de Boneca vai bem em substratos com uma composição de 70% de fibra de coco e 30% de carvão ou brita.

Há orquidófilos que cultivam Cattleyas apenas com carvão vegetal e obtém sucesso em seu cultivo.

O uso de determinados materiais ou um único material como substrato vai depender de determinadas técnicas que devem ser empregadas pelo cultivador em obter um bom resultado no crescimento e floração das orquídeas.  Como alguns cultivadores empregam apenas brita que é um material inerte que não disponibiliza para a planta nenhum nutriente e este deve ser complemento pela administração nutrientes por meio de regas programadas, além desse material depender de um número maior de regas por reter pouca água.


Existem muitos outros materiais que podem ser empregado como substrato, mas vai depender do bom senso e conhecimento de algumas características que eles ofereçam para que seja empregado com sucesso no cultivo de orquídeas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Popular Posts